Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

STF adia julgamento da revisão do FGTS. Como fica a situação do trabalhador?

Por Thais SouzaPublicado em

O Supremo Tribunal Federal (STF) iria julgar no dia 13 de maio a revisão do índice de correção do FGTS, que usa a Taxa Referencial (TR), que não acompanha a inflação há anos e faz com que os trabalhadores percam dinheiro. Contudo, o julgamento foi tirado da pauta de votações dessa semana. Veja como fica a situação dos beneficiários neste caso.

STF adia julgamento de revisão do FGTS

Na quinta-feira, 13 de maio, aconteceria o julgamento da revisão da TR como correção dos valores do FGTS, mas o STF decidiu tirar o assunto de pauta e não esclareceu se haverá um julgamento, nem divulgou datas para isso. Caso a discussão seja favorável aos trabalhadores, a decisão renderia um impacto negativo de R$ 295,9 bilhões aos cofres públicos.

O julgamento aconteceria por meio da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5.090/2014, que visa a correção do índice utilizado para cálculo do valor do FGTS.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Em 1999, a Caixa Econômica Federal alterou a maneira como o saldo dos trabalhadores é corrigido na contas do benefício, adotando a Taxa Referencial (TR). Contudo, esse índice está totalmente desatualizado monetariamente e, por isso, não acompanha a inflação há anos.

A utilização desse índice faz com que os trabalhadores percam dinheiro ao longo do tempo. Por conta disso, o STF iria julgar se a TR é ou não inadequada como índice de correção das contas do benefício e decidir sobre a substituição dela por um índice mais fiel a inflação.

Como fica a situação do trabalhador?

Os trabalhadores que querem solicitar a revisão do FGTS terão que entrar com uma ação judicial para solicitar a devolução dos valores pagos a menos. O trabalhador que teve carteira assinada entre 1999 e 2013 poderá entrar com uma ação individual ou coletiva contra a Caixa Econômica Federal.

Para entrar com uma ação individual será necessário ir até o Juizado Especial Federal acompanhado de um advogado especializado na área. Se o trabalhador não tiver condições de contratar um advogado particular ele pode procurar a Defensoria Pública da União (DPU) ou a entidade sindical da sua categoria.

Quem deseja entrar com uma ação coletiva poderá filiar-se a um sindicato. Atualmente, três sindicatos estão aceitando novos membros para entrada de ações, são eles: Sindicato dos Comerciários de São Paulo (SECSP), Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos (Sindnap) e Sindicato dos metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes.

Já é a terceira vez que o STF adia o julgamento da lei que aplica a TR como índice do FGTS. Em 2020, o índice também foi declarado como inadequado, mas a decisão final foi adiada na época.

Leia também

Deixe seu comentário abaixo se ficou com alguma dúvida e até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Thais Souza

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos relacionados a investimentos e empréstimos e acredita que esse tipo de conhecimento pode mudar a vida das pessoas. Busca impactar a vida dos usuários que buscam resolver um problema ou conhecer melhor um produto ou serviço financeiro.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Marketing digital: House Academy lança curso gratuito

Aneel suspende corte de luz de famílias de baixa renda até setembro; entenda

Zoom: compre produtos na plataforma e ganhe até 7% de cashback

Banco digital: Volkswagen conta com nova modalidade voltada a caminhoneiros

Banco Central pretende lançar sistema que facilita devolução de dinheiro

INSS: prova de vida volta a ser obrigatória; confira os prazos

Confira 21 opções de sites de emprego para quem está em busca de uma vaga

Crédito: Serasa muda cálculo do score; confira como fica