Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Tesouro Direto: guia completo

Sabrina VansellaPublicado em

Ultimamente o alerta de muitos educadores financeiros é sobre não colocar o dinheiro na poupança e o quanto isto é perda de rendimento, não é mesmo?

Por conta disso, o Tesouro Direto é uma das formas de investir escolhidas por aqueles que estão iniciando no mundo do investimento. Pois atrelado a um objetivo, às chances de sucesso são altas e seguras!

Iremos descomplicar o mundo do Tesouro Direto e o porquê é mais vantajoso investir nele seja como uma reserva emergencial e até mesmo pensando na sua aposentadoria. Confira:

Você encontra nesse artigo:

O que é e como funciona o Tesouro Direto?

Primeiramente, vamos entender o que significa este termo que muitos assustam em ouvir, mas calma, é mais simples do que parece!

O Tesouro Direto é uma plataforma criada pelo Tesouro Nacional (basicamente o caixa do Brasil) em parceria com a B3 para negociação de títulos públicos e federais para pessoas físicas.

É um título emitido pelo governo federal, ou seja, um dos mais seguros, atrelado a renda fixa, o dinheiro investido é recebido acrescido de juros na data de vencimento, definida no momento da compra.

Simplificando, é como se você fosse um emissor de um empréstimo para o governo investir em obras públicas, na saúde, educação entre outros investimentos, e depois recebesse o valor emprestado acrescido de juros.

Posso perder dinheiro?

A resposta correta seria sim, mas fique calmo, afinal, para que isso ocorra seria necessário a quebra do governo. Ou seja, apenas se o país entrasse em uma crise caótica.

Além disso, outro fator que assegura o investimento, é que se por acaso o governo estivesse quebrado, outras instituições financeiras e bancos já estariam rompidos antes mesmo. Mas claro, nunca deixe de acompanhar a economia do país e informe se.

Diferença entre rentabilidade prefixada e pós-fixada

Entender a rentabilidade do seu investimento do Tesouro Direto é essencial, e deve ser escolhida com cautela.

Quando prefixada o retorno é estabelecido no momento da compra do título e se mantém até a data de vencimento. Se for pós-fixada, a taxa de rentabilidade é variável e definida com base em um indexador da economia, como à Selic e o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

A melhor decisão ao iniciar no mundo dos investimentos, é adquirir títulos de rentabilidade prefixadas, por exigir menor acompanhamento da economia, ou seja, diminui as especulações. Por outro lado, o lucro também pode ser mais baixo já que o risco é menor, certo?

O dinheiro pode ser resgatado a qualquer momento?

Para os que querem atrelar o investimento a um fundo de emergência, esta é uma dúvida muito frequente. Na teoria, o dinheiro investido pode ser retirado independentemente do valor de vencimento do título. Mas na prática existem alguns fatores que merecem atenção antes do resgate.

O Tesouro prefixado e o IPCA, tirando antes do prazo, aumenta o risco de perder dinheiro, pois são interferidos pela marcação a mercado. Portanto, o melhor título para ser usado com o intuito de resgate é o Selic, pois rende mais do que a poupança.

O erro comum

Um dos erros mais comuns é a falta de informação, afinal, você não deve colocar o seu dinheiro em algo que não conhece. Além disso, a ansiedade nos investimentos também está atrelada a um despreparo do investidor, por isso, apenas inicie se tiver confiança e conhecimento para isso.

Outro caso, são as pessoas que acham que perdeu o dinheiro quando vão checar o investimento prefixado. Como citado anteriormente, a marcação a mercado interfere no valor atual do que foi inserido, mas confie no valor que foi estabelecido no momento que a compra do título foi feita e será resgatado com garantia na data de vencimento.

É melhor investir no Tesouro Direto ou na poupança?

Esta decisão depende dos seus objetivos como investidor. Mas a principal semelhança entre a Poupança e o Tesouro Direto é que os dois possuem baixo risco. Mas a poupança apesar de simples acaba entregando um baixo rendimento.

Outro ponto que merece destaque entre as diferenças, é entregue pela segurança. O Tesouro Selic é assegurado pelo Tesouro Nacional, ou seja, considera o investimento de menor risco da economia brasileira, já a Poupança é assegurada pelo Fundo Garantidor de Crédito que garante até R$ 250 mil por CPF e conta bancária.

Entenda a tabela do Tesouro Direto

Conheça a tabela online do Tesouro Direto no momento que este artigo foi escrito:

Pode até parecer muita informação, mas vamos descomplicar para você (fique atento às mudanças na data que for acessada).

Diferenças de cada Título

A primeira coluna ao lado esquerdo, corresponde aos diferentes títulos que estão sendo ofertados e a data que o rendimento será resgato por você.

Tesouro Prefixado

Esta é a categoria de título público que fornece ao investidor, precisamente o valor que será recebido na data de vencimento. Com a rentabilidade fixa, o investimento garante um fluxo de pagamento simples, ou seja, o valor pago no dia estabelecido será total feito de uma só vez quando a aplicação for encerrada.

Uma categoria elencada como segura e recomendada quando a taxa básica de juros no Brasil, a Selic por exemplo, está menor do que a prefixada no momento da compra.

Tesouro Selic

Este tipo de tesouro pós fixado, é procurado por aqueles que estão interessados na alta da taxa de juros. É o investimento para aqueles que não têm certeza da data a qual será resgatado, o lado positivo é que este título não sofre tanta variação, ou seja, as perdas são evitadas.

Tesouro Híbrido

Este título é autoexplicativo pelo próprio nome. A remuneração é composta por uma parte prefixada e outra pós-fixada, geralmente ligada ao IPCA. Ideal para quem quer é garantir a o poder de compra mesmo após o vencimento do contrato, mas também não quer perder o poder de compra por conta da inflação a longo prazo.

Tesouro IPCA+

É um título pós-fixado, ou seja, o rendimento total pode ser visto somente no prazo de vencimento. Por conta de conter vencimentos mais longos, este é o mais indicado para aqueles que estão planejando uma aposentadoria ou desejam investir nos filhos futuramente.  Além de garantir uma rentabilidade final acima da inflação, conta com uma taxa contratada (%) acrescida.

Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais

Este título é recomendado para aqueles que precisam do valor investido a cada 6 meses, mas cuidado, pois a todo momento que o valor foi retirado, será descontado o imposto de renda. Não é indicado para aqueles que estão na fase de acumulação por conta da alíquota definida de acordo com o prazo de aplicação contratado que é o mais alto de 22,5%.

Rentabilidade anual

A rentabilidade anual é a porcentagem dos juros que vai ser pago no prazo de vencimento para aquele que compra o título. Os que apresentam a SELIC + X juros, deve ser somado o valor da taxa Selic no momento que o título foi adquirido aos juros em porcentagem.

Nos títulos escritos IPCA + X juros, acontece de forma semelhante ao da taxa Selic, mas no caso, o valor do IPCA é acrescido dos últimos 12 meses.

Investimento mínimo

Na terceira coluna da tabela, é composto pelo investimento mínimo de cada título do Tesouro Direto, ou seja, o valor necessário para comprar o título, que pode ser a quantia definida ou a partir dela.

Além disso, existe um limite financeiro máximo estabelecido por investidor, que é de R$1 milhão por mês por CPF.

Preço unitário

O preço unitário na quarta coluna corresponde ao valor bruto recebido pelo investidor caso ocorra a venda do seu título ao Tesouro Nacional antes da data de vencimento. Este valor é específico para a unidade do título e em caso de venda antecipada, o Tesouro Nacional recompra o título com base no valor de mercado.

Vencimento

Referente a data que o título vence, e o investidor recebe o aporte caso não houve a venda do título antes deste período.

Taxas presente nos títulos do Tesouro Direto

Antes de iniciar qualquer investimento, é muito importante conhecer as taxas e impostos associados. Assim, a estimativa do dinheiro que virá é ainda mais realista.

Atualmente, a única taxa cobrada é o Imposto de Renda. Saiba que esta taxa acontece de forma regressiva, ou seja, quanto maior o tempo e investimento, menor ela será. Confira na tabela:

Prazo Alíquota (%)
Até 180 dias  22,5
De 181 a 360 dias  20,0
De 361 a 720 dias 17,5
Acima de 720 dias 15,0

Tabela da alíquota regressiva do Imposto de Renda – Fonte: B3

Esta porcentagem é cobrada apenas nos rendimentos. O valor investido não sofre perdas. Esta alíquota é descontada na data do vencimento ou na venda antecipada dos ativos.

Atente-se, nos primeiros 30 dias de investimento, há o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Se o ativo for solicitado para resgate neste período, haverá a cobrança.

Outra pequena taxa acrescida é a taxa anual de 0,25% que é cobrada pela B3. Mas a partir do dia 01/08/2020, o título Tesouro Selic passou a ser isento da taxa de custódia até o estoque de R$10 mil. A taxa apenas será cobrada sobre os valores que excederem este valor, por investidor (CPF).

Dicas para começar a investir

No início é essencial atrelar o investimento a algum objetivo, assim será ainda mais fácil escolher o título adequado. Além disso, o simulador  que o próprio site do Tesouro Direto oferece e consegue entregar uma estimativa do valor que será recebido na data de vencimento. Pensando elencamos alguns passos essenciais no início:

Abra uma conta

Antes de tudo, para investir no Tesouro Direto é importante abrir uma conta em uma corretora de valores. Essa necessidade está ligada ao simples fato de a corretora ter como função ser a mediadora entra a compra e a venda dos ativos.

Hoje existem corretoras que não cobram por estes serviços e ganham uma pequena porcentagem da taxa anual paga por você ao B3, referente ao título investido.

Lembre-se de escolher uma correta com um bom suporte, pois no primeiro investimento é comum apresentar dúvidas.

Conheça seu perfil de investidor

O autoconhecimento pode ser um ótimo guia para o início, afinal, é necessário avaliar a sua situação financeira, conhecimento de mercado, objetivos e idade. Pensando desta forma, existem 3 perfis mais conhecidos no mundo do investimento, que são:

  • Conservador: aquele que tem evita ao máximo o risco e prefere opções seguras para aplicar o dinheiro. Mesmo exista forte possibilidade de ganhos com algum risco, não está disposto a perder. Atrelado a títulos do Tesouro Direto prefixados;
  • Moderado: seria um meio termo. Um investidor que opta por arriscar mais que o conversador e busca de maior retorno, porém não está disposto a assumir grandes riscos. Geralmente aquele que varia na carteira;
  • Agressivo: aquele que está sempre em busca de maiores rendimentos e obviamente está aberto a correr altos riscos para que isso ocorra. Geralmente está atrelado a investimento de renda variável.

Invista

Os passos anteriores são essenciais se o seu maior objetivo for investir, por isso este é o mais importante. Não tome esta decisão com pressa e ansiedade, reserve um tempo para pensar, aprenda o máximo possível para sentir a confiança necessária de começar.

Se conseguiu encontrar o título ideal, apenas siga os passos e pronto. Você se tornou um investidor do Tesouro Direto!

Descomplicamos?

Esperamos ter ajudado você com este conteúdo. Se apresentar alguma dúvida ou sugestão, faça seu comentário para nós e até breve!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Sabrina Vansella

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos noticiosos e sobre dicas financeiras. Procura simplificar e melhorar a qualidade de vida dos usuários e, para isso, preza por uma pesquisa assídua e uma escrita clara.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Banco Central: quais são suas funções?

Dinheiro físico: conheça seus mitos e verdades

Entenda o que é IPCA e IGP-M e saiba quais as diferenças entre eles

Quanto tempo demora para aumentar o score de crédito?

Banco Central lança ferramenta que faz diagnóstico da saúde financeira do brasileiro; saiba mais

É melhor financiar ou alugar?

Renda ativa e renda passiva: saiba quais são as diferenças entre os dois termos

Tarifas bancárias: o que são?