Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Vai negociar suas dívidas? Entenda qual a importância do planejamento financeiro

Por Acordo CertoPublicado em

Engana-se aquele que acha que precisa se organizar financeiramente apenas para começar a investir. A principal meta que você precisa ter é disciplina financeira, inclusive para pagar suas dívidas.

A maior preocupação que muitos trazem é que não é possível renegociar as dívidas porque não tem dinheiro. Agora te perguntamos, será mesmo? Você já analisou friamente seus gastos para entender se não é um hábito de consumo ou contas relativamente altas que podem estar dificultando isso?

Então vamos lá, este artigo será mais motivacional e te fazer repensar para entender a importância do planejamento financeiro antes de negociar uma dívida em aberto.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Você sabe como se tornou uma pessoa endividada?

Pode parecer clichê, mas estar endividado está diretamente ligado à como você lida no dia-dia com seus gastos comparados ao que você ganha. Se você não tem controle emocional com um salário de R$ 2.000, dificilmente terá o controle emocional e de gastos com R$ 30.000 na sua mão.

Ter mais dinheiro não resolve se você não mudar suas atitudes e relacionamento com o dinheiro.

Mas vamos te ajudar a identificar como você chegou nesta situação. Pegue um papel e uma caneta, faça três colunas:

Coluna 1: CUSTOS FIXOS.

Anote todos seus custos bem especificados de:

  • Moradia (aluguel, IPTU, água, luz, gás);
  • Alimentação (supermercado, hortifruti, idas rápidas ao mercado);
  • Saúde (plano de saúde, médicos, exames e remédio);
  • Transporte (passagem de ônibus, metrô, gasolina, IPVA, seguro do carro);
  • Educação (escola, material escolar, faculdade, curso).

Coluna 2: CUSTOS PESSOAIS

Anote todos os seus custos acessórios ou como alguns chamam de custos de luxo, que você poderia viver sem.

  • Shopping e presentes;
  • Contas por assinatura (streaming e aplicativos);
  • Compras na rua: aquela água e coxinha, aquele café com a amiga;
  • Compras por aplicativo: restaurantes, pizza no fim de semana, etc.

Coluna 3: DÍVIDAS

Anote todas suas dívidas.

  • Financiamento;
  • Empréstimos;
  • Todas as contas em aberto.

Agora olhe para essa folha de papel. Você consegue identificar qual o ralo do seu dinheiro? Onde você está gastando e poderia economizar?

Para isso se questione sempre. Saia da zona de conforto!

Pense assim: Que tal melhorar o seu deslocamento? Por que não priorizar marmita e consumir alimentos da estação que provavelmente são mais baratos? Por que não rever contratos de aluguel e morar perto do trabalho ou da escola em um lugar menor?

Comece questionando seus hábitos. Fazer as contas pelo menos começa a movimentar nossas ações de mudança.

Mas como saio disso e faço meu planejamento financeiro para quitar minhas dívidas?

Sabe os custos do nosso primeiro tópico deste post? Pois é, ele que vai definir o valor máximo dos seus custos de acordo com a regrinha que caiba na sua realidade financeira.

SE VOCÊ RECEBE ATÉ 2 SALÁRIOS MÍNIMOS, que tal tentar dividir seus custos da seguinte forma:

  • 80% para seus custos fixos;
  • 10% para seus custos pessoais;
  • 10% para parcela de dívida.

SE VOCÊ RECEBE MAIS QUE 2 SALÁRIOS MÍNIMOS, que tal tentar dividir seus custos da seguinte forma:

  • 50% para seus custos fixos;
  • 30% para seus custos pessoais;
  • 20% para parcela de dívida.

Novamente, olhe para seus custos racionalmente. É neste momento que você precisa encaixar seus custos para que chegue o mais próximo possível de uma dessas regras e caso não consiga, busque negociar.

Um plano de internet pode ser mais barato se você trocar de operadora? Você pode diminuir a quantidade de delivery que pede no mês? Você pode economizar levando um lanche para o trabalho ao invés de sempre comprar um salgado ou pedaço de bolo na rua?

Você não precisa abrir mão de tudo, mas vai precisar fazer alguns esforços para conseguir ter dinheiro para sair das dívidas. Aqui são definidas suas prioridades, e a número 1 é ter dinheiro para quitar suas dívidas.

Na hora de renegociar suas dívidas, escolha as de taxas de juros mais caras ou as mais altas primeiro. Geralmente elas tiram o seu sono e não te deixam crescer financeiramente. Antes de renegociar, pesquise no site do Consumidor Positivo e da Acordo Certo as melhores formas de negociação e não crie novas dívidas.

Seja disciplinado: renegociar sua dívida é um compromisso

O exercício de aprender a encaixar seus custos de acordo com sua realidade financeira foi um passo importante para definição da sua prioridade, agora negociar sua dívida e quitar até última parcela é um compromisso com você mesmo.

Você sabia que mais de 70% das pessoas que renegociam suas dívidas não cumprem o acordo até o final?

Pois é!

Mas se hoje você não consegue trazer a disciplina para suas finanças, não é ganhando mais que você vai deixar de ser uma pessoa endividada. Tudo está relacionado aos seus hábitos financeiros. Então trace essa meta com você mesmo. Planeje esse compromisso com o seu dinheiro e se algo der errado no meio do caminho, priorize sua parcela da dívida e não o seu lazer.

Sair das dívidas o mais rápido que conseguir para depois começar a construir sua reserva financeira é fundamental para conseguir melhorar seu relacionamento com o dinheiro.

Lembre-se também de acompanhar seu CPF no site do Consumidor Positivo. Esta etapa é muito importante para ir acompanhando seu score de crédito. Além disso, o site tem informações do que pode estar afetando seu score e te ajudar também a ter uma luz de como pode melhorar sua relação com as finanças e se positivar.

Não tenha cartões de crédito antes de aprender a economizar e poupar

Fuja do cartão de crédito até você conseguir não só quitar suas dívidas, como também ter sua reserva financeira já muito bem encaminhada.

O cartão de crédito é um dos maiores problemas de inadimplência e pior, uma das taxas de juros mais caras. Caso você deixe de pagar uma fatura no valor de R$ 1.000, ela pode se transformar em mais de 10 mil reais.

Enquanto você não estiver disciplinado em relação às suas finanças, ele pode se tornar seu maior pesadelo. Portanto, só use quando realmente souber calcular bem as parcelas que você anda fazendo, o quanto você pode gastar e quando entender que ele não é a extensão do seu salário.

Conclusão

Sabe aquela frase: "Não é o quanto você ganha e sim como você gasta"? Esse pequeno planejamento financeiro vai te ajudar a criar disciplina financeira e aí sim, trazer o sucesso financeiro que você busca.

O próximo passo é começar a sua reserva de emergência, mas isso deixamos para um próximo post.

Foco em quitar sua dívida.

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Acordo Certo

A Acordo Certo é uma plataforma de renegociação de dívidas que está desde 2015 no mercado e que tem como objetivo cuidar dos brasileiros, trazendo autoestima financeira e realização de sonhos através da quitação de suas pendências financeiras de maneira prática e segura! O consumidor consegue renegociar dívidas com mais de 30 parceiros dos setores de telecomunicação, varejo, bancário, educacional em uma plataforma que preza pela experiência dos clientes e a interação é 100% online! No final de 2020 a Acordo Certo foi adquirida pela Boa Vista Serviços para alcançar ainda mais excelência em tratamento de dados, experiência do consumidor e tecnologia

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

6 livros sobre empreendedores brasileiros de sucesso

O que é um aporte financeiro? Entenda seu funcionamento

O que é DeFi: o novo formato das finanças

Vai negociar suas dívidas? Entenda qual a importância do planejamento financeiro

Economia: expectativas para o Brasil em 2022 estão piorando

Estorno e cancelamento de compras: entenda a diferença

Qual a diferença entre economizar, poupar e investir?

Juros compostos: o que são e como afetam a sua vida financeira?