Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Vale a pena investir em empresas recém-chegadas na Bolsa?

Por Thais SouzaPublicado em

Se você é investidor, provavelmente, em algum momento de sua vida, já deve ter duvidado do potencial de uma ação e se arrependeu amargamente após a sua valorização. Tal situação acontece frequentemente no mercado financeiro e levanta uma dúvida: vale a pena investir em empresas recém-chegadas na Bolsa de Valores?

Vale a pena investir em empresas recém-chegadas na Bolsa?

Atualmente, muitas companhias estão abrindo capital para financiar seus projetos, aumentando as opções dos investidores. De 2020 para cá, 56 empresas fizeram oferta pública inicial de ações (IPO) na B3.

Essa chegada traz uma empolgação nos investidores com as propostas diferenciadas, fazendo com que eles acabem investindo em ações de empresas que nem conhecem.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Investir em empresas recém-chegadas na Bolsa de Valores é uma forma de diversificar a carteira e comprar ações por um preço mais baixo, com o intuito de lucrar com uma possível valorização dos ativos daquela companhia. Por isso, trata-se de uma atitude que vale a pena. 

No entanto, isso só será vantajoso se o investidor estudar e analisar todos os fundamentos da companhia antes de comprar posição, ainda mais se tratando de um ativo de Renda Variável, em que ninguém pode ter certeza sobre seus rendimentos futuros.

O que analisar antes de comprar uma ação?

Antes de comprar uma ação de uma empresa nova na Bolsa de Valores, é fundamental que você analise os resultados da organização e as perspectivas para o mercado em que ela atua. Isso é possível de duas maneiras: fazendo uma análise técnica ou fundamentalista. 

  • Análise técnica de ações: leva em conta a quantidade de ativos disponíveis para negociação (oferta e demanda). Ou seja, baseia-se em aspectos técnicos e gráficos, principalmente relacionados aos volumes de negociação e a movimentação dos preços;
  • Análise fundamentalista de ações: analisa a empresa considerando aspectos sobre fluxo de caixa, lucro trimestral, balanço patrimonial, demonstração de resultados e outros dados que indicam a saúde financeira da empresa e sua capacidade de arcar com os dividendos. 

Além de analisar a empresa recém-chegada na Bolsa, o ideal é optar por aquelas que já são mais conhecidas e consolidadas no mercado, pois oferecem maior confiança. Alguns exemplos são: Espaçolaser, Enjoei, Mobly, Intelbras, entre outras.

Descomplicamos?

Se você nunca se aventurou nos investimentos de Renda Variável, saiba que eles podem ser muito rentáveis e gerar lucros em pequenos prazos. Mas antes, é necessário analisar se você está apto para esse tipo de aplicação e, para isso, você deverá fazer teste do perfil de investidor: 

Boa leitura e até a próxima! 

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Thais Souza

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos relacionados a investimentos e empréstimos e acredita que esse tipo de conhecimento pode mudar a vida das pessoas. Busca impactar a vida dos usuários que buscam resolver um problema ou conhecer melhor um produto ou serviço financeiro.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Ativos reais: o que são e quais os riscos?

O que avaliar antes de escolher uma corretora de investimentos

O código é lei: entenda as plataformas de contratos inteligentes

Tecnologia: vale a pena investir no setor?

Confira 4 investimentos que te protegem da inflação

O que é e como funciona o crédito privado?

Diferença entre data de vencimento e carência em investimentos de Renda Fixa

O que são investimentos alternativos e quais as vantagens na diversificação do seu portfólio?