Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Veja as 8 boas práticas financeiras que não podem faltar no seu negócio

Por VoittoPublicado em

Tudo na vida exige planejamento e organização — e bons costumes que nos ajudam a alcançar nossos objetivos de modo mais eficiente.

Com as finanças não é diferente: existe uma série de bons hábitos financeiros que todo empreendedor precisa inserir na rotina da sua empresa para administrar da melhor forma o seu dinheiro disponível.

Confira 8 boas práticas que nós selecionamos neste artigo que, se aplicadas, podem subir o nível da gestão financeira do seu negócio:

1. Não ignore os seus impostos

O Brasil tem uma alta carga tributária e, por isso, é muito comum que alguns empresários queiram fugir da situação em vez de encará-la. Não existe caminho fácil — se você quer ter um negócio bem sucedido, precisa jogar dentro das regras.

Sente com o um contador e avalie quais os impostos relativos ao modelo de negócio que você pretende adotar; de outro modo, pode ser que na hora de precificar o seu produto ou serviço você não cobre corretamente — além de correr o risco de cometer uma infração fiscal.

Homem desconfiado com a mão no queixo

Com o seu score calculado, você descobre o produto financeiro ideal para você!

Calcule o seu score de forma gratuita, rápida e segura e tenha acesso a centenas de cartões de crédito e outros produtos financeiros.
+ 1.267.543 milhões de pessoas já consultaram

Ao criar uma conta você aceita nossos termos de uso política de privacidade. Aceita também receber notificações por e-mail e SMS, que podem ser canceladas quando quiser.

2. Décimo terceiro

Outra obrigação da qual muitos empresários tentam fugir é o pagamento do décimo terceiro salário dos seus colaboradores. Provisione uma parte do valor do décimo terceiro todos os meses — com certeza o seu contador tem algum modelo que gere esse provisionamento, indicando quanto você precisa guardar.

Não deixe esse pagamento para a última hora, comece a fracionar o quanto antes!

3. Custos variáveis

Custos são os gastos diretamente ligados à venda do seu produto ou serviço. Ou seja: quanto mais você vende ou presta serviços, mais vai custar para a sua empresa.

Por isso, é muito importante mantê-los sob controle — você não quer acabar vendendo a um preço menor do que o custo de produção, não é?

O seu custo impacta diretamente na sua margem de contribuição, que é uma forma de medir o lucro em cima de cada venda, deduzindo o custo da receita. Observe o que está compondo os seus custos de forma muito atenta.

4. Avalie seu time

Junto aos demais custos, a sua equipe possibilita a entrega do seu produto ou serviço ao mercado. Muitas pessoas no seu time pode ser custoso demais, mas contratar poucas pessoas pode comprometer a receita da empresa.

Identifique qual é a sua equipe ideal: qual o seu tamanho e quanto ela deve custar para que você alcance os seus resultados. Você pode não ter dinheiro para sustentá-la agora, mas você deve defini-la antes de alcançá-la. Assim, você poderá provisionar uma fração do caixa todos os meses visando a formar essa equipe no futuro.

5. Fluxo de caixa

Para muitos empreendedores o fluxo de caixa não passa de uma série de registros de tudo que entrou e saiu do caixa da empresa. Mas isso esconde a sua real importância: a previsibilidade dos gastos.

Registrar contas a pagar e a receber dentro da sua empresa serve para, mais do que documentar o passado, prever o futuro. A partir desses registros é possível controlar as movimentações financeiras que ainda vão acontecer. A análise do fluxo de caixa permite ao empresário tomar a decisão correta em situações difíceis, além de abrir espaço para as possibilidades de investimento ou renegociação das dívidas.

6. Marketing

Marketing não é despesa: é investimento. O dinheiro que você investe no marketing permite alcançar cada vez mais clientes e alavancar o seu negócio. O cuidado a ser tomado é em relação à qualidade do seu time, que precisa ser capacitado para que o seu investimento valha a pena.

7. Investimentos

O que de fato é um investimento? Como ele se diferencia das outras despesas, como no caso do marketing?

Tudo aquilo em que você gasta esperando um retorno é investimento. Pode ser o aumento da sua equipe, a aquisição de tecnologias e maquinário, o desenvolvimento de uma tecnologia própria e assim por diante.

O ponto mais importante para a decisão do seu investimento é observar o retorno que ele traz para o seu negócio (ROI). É essa a métrica que determina o seu sucesso ou insucesso.

Você deve definir, antes de investir, qual o stop-loss dentro desse investimento: até quando você estará disposto a perder dinheiro em busca do objetivo? Qual a hora de parar?

8. Tecnologia

Hoje em dia quase todas as empresas utilizam algum tipo de tecnologia. Ainda que não seja o produto ou serviço principal do seu negócio, é certo que alguma tecnologia você usará — seja ela avançada ou nem tanto.

Considere as ferramentas necessárias ou que podem subir o nível da sua entrega. Em algum momento o que está disponível não será suficiente, e você vai precisar de mais e mais tecnologia. Independentemente de qual seja o seu setor, a tecnologia é a maior propulsora de qualquer negócio.

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Voitto

Somos uma escola online de negócios que ensina habilidades que todo profissional, independentemente da sua área de atuação, deveria dominar para melhorar seus resultados e acelerar sua carreira.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Quem pode ganhar adicional de 25% na aposentadoria?

Corretoras de Criptomoeda: Como evitar ciladas? Veja algumas dicas

Descubra como se proteger de cobranças indevidas nas suas contas de telefone

O que é pró-rata e como calculá-lo?

5 dicas para viver com um salário mínimo

5 dicas de como ganhar dinheiro sendo estudante

Cheque: entenda o que é e conheça suas variações

Lei do Superendividamento: saiba como renegociar suas dívidas sem extrapolar seu orçamento