Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Vender por apenas R$ 0,99 funciona? Descubra agora mesmo

Por Camila SilveiraPublicado em

Para chegar ao preço de venda ideal, é necessário considerar todos os custos do negócio, padrões de mercado, margem de lucro e percepção de valor dos clientes. Apesar disso, alguns truques básicos podem aumentar ainda mais as vendas, como colocar o ",99" no final de um preço em vez do valor redondo. 

Por exemplo, aquele produto vendido a R$ 3,99 em vez R$ 4,00 não possui esse valor por acaso. Essa é uma estratégia de marketing utilizada pelas empresas para atrair mais consumidores e estimular as vendas. Mas afinal, isso realmente funciona? Entenda detalhadamente e esclareça as suas dúvidas, neste artigo.

Um centavo realmente faz diferença no preço?

Sim, um centavo pode fazer toda a diferença no valor final de um produto. Na verdade, não pelo real valor do centavo, mas pelo efeito que isso causa na mente do consumidor.

Vamos combinar: mesmo que não faça nenhuma diferença, comprar um produto pelo preço de R$ 0,99, em vez de R$ 1,00, parece ser muito mais vantajoso, não é mesmo? 

Esse estímulo possui uma explicação: em culturas em que as pessoas leem da esquerda para a direita, os números da esquerda sempre são os primeiros a serem lidos. 

Homem desconfiado com a mão no queixo

Com o seu score calculado, você descobre o produto financeiro ideal para você!

Calcule o seu score de forma gratuita, rápida e segura e tenha acesso a centenas de cartões de crédito e outros produtos financeiros.
+ 1.267.543 milhões de pessoas já consultaram

Ao criar uma conta você aceita nossos termos de uso política de privacidade. Aceita também receber notificações por e-mail e SMS, que podem ser canceladas quando quiser.

Por exemplo, se um produto custa R$ 2,99, o nosso cérebro tende a associar que o valor está mais próximo de R$ 2 do que de R$ 3. Como 2 é menor do que 3, a pessoa pensa que está gastando menos, de acordo com a publicação da The University of Chicago Press

Além disso, muitos clientes também acabam não se apegando muito aos centavos após a vírgula, seja por falta de tempo ou despreocupação com o valor final da compra.

O efeito dos dígitos da esquerda

Responda à pergunta: o que você acha que aconteceria com as vendas de um vestido ao aumentar seu preço de R$ 34 para R$ 39? As vendas cairiam, ficariam iguais ou aumentariam?

De acordo com um artigo publicado pela Harvard Business Review, a demanda pelo produto aumentaria um terço com esse aumento de preço. De início isso pode não fazer sentido, mas é simples: a resposta está nos números e como a nossa mente os interpreta.

O estudo aponta que o número 9 no final do preço gera o mesmo efeito causado por sinais de "oferta" e "promoção", ou seja, a ideia de estar fazendo um bom negócio.

O preço R$ 39 causa a sensação de que aquele vestido poderia custar R$ 40, mas não custa, o que o torna mais atrativo.

Outra pesquisa recente defende que produtos que estão sendo comprados em uma mesma categoria, mesmo que sejam de marcas diferentes, somente serão estratégicos se estiverem lado a lado, seja na prateleira ou no site.

Sendo assim, quanto mais próximos os dois valores que estão sendo comparados, maiores as chances do consumidor levar o produto de R$ 39 em vez do de R$ 40, por exemplo.

De forma resumida, o efeito do dígito esquerdo tende a funcionar bem, desde que haja uma comparação entre itens.

Essas estratégias geralmente dão bons resultados, porém alguns estudos destacam a existência de dois grupos de consumidores: os holísticos e analíticos, e a necessidade de pensar em ações diferentes para cada um deles.

Consumidores holísticos e analíticos: entenda a diferença

Os consumidores analíticos são aqueles que veem os dígitos do preço de forma separada. Eles tendem a focar o dígito da esquerda. Os holísticos, por sua vez, gostam de visualizar o coletivo e tudo o que os cercam no momento da compra.

De acordo com os estudos, os consumidores holísticos precisam de outras ações em conjunto para que a estratégia do dígito realmente funcione, como, por exemplo, músicas lentas tocando ao fundo do supermercado, a falta de tempo, ou até mesmo, aquela degustação da nova linha de café.

Não trata-se somente do preço

Como dissemos, as estratégias de marketing não levam em consideração somente o preço isoladamente. As empresas também se preocupam com o quanto as pessoas confiam nelas, como um todo.

Por parte do consumidor, existe a confiança de que a oferta é realmente verdadeira e não destoa do restante do mercado. Afinal, hoje em dia é muito mais fácil comparar produtos similares pela internet e entender qual é o real valor de um produto.

Caso o consumidor perceba uma diferença nesses aspectos, ele cria a sensação de que a empresa está tentando "enganá-lo", gerando mais efeitos negativos para a marca do que positivos, concorda?

Por isso, é sempre fundamental usar as estratégias de vendas de forma consciente e respeitando os consumidores.

Gostou do conteúdo?

Esperamos ter ajudado você com esse artigo. Em caso de dúvidas ou sugestões, deixe o seu comentário para nós e até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Camila Silveira

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, adora descomplicar os cartões de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, contas digitais, entre outros. Boa parte do seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

A importância de uma rotina financeira para a gestão empresarial

Como manter seus lucros em alta com uma plataforma de pagamentos

Os 3 principais relatórios financeiros para o seu negócio

Benefícios do pagamento recorrente no crédito para empresas e consumidores

Conheça os benefícios que todos MEIs têm direito em 2022

Soluções antifraude: como proteger sua empresa contra fraudes

Dicas para evitar fraudes no cadastro: como se proteger

Modelo de negócio B2B: entenda como funciona