Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Vender por apenas R$ 0,99 funciona? Descubra agora mesmo

Por Camila SilveiraPublicado em

Para chegar ao preço de venda ideal, é necessário considerar todos os custos do negócio, padrões de mercado, margem de lucro e percepção de valor dos clientes. Apesar disso, alguns truques básicos podem aumentar ainda mais as vendas, como colocar o ",99" no final de um preço em vez do valor redondo.

Por exemplo, aquele produto vendido a R$ 3,99 em vez R$ 4,00 não possui esse valor por acaso. Essa é uma estratégia de marketing utilizada pelas empresas para atrair mais consumidores e estimular as vendas. Mas afinal, isso realmente funciona? Entenda detalhadamente e esclareça as suas dúvidas, neste artigo.

Um centavo realmente faz diferença no preço?

Sim, um centavo pode fazer toda a diferença no valor final de um produto. Na verdade, não pelo real valor do centavo, mas pelo efeito que isso causa na mente do consumidor.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Vamos combinar: mesmo que não faça nenhuma diferença, comprar um produto pelo preço de R$ 0,99, em vez de R$ 1,00, parece ser muito mais vantajoso, não é mesmo? 

Esse estímulo possui uma explicação: em culturas em que as pessoas leem da esquerda para a direita, os números da esquerda sempre são os primeiros a serem lidos. 

Por exemplo, se um produto custa R$ 2,99, o nosso cérebro tende a associar que o valor está mais próximo de R$ 2 do que de R$ 3. Como 2 é menor do que 3, a pessoa pensa que está gastando menos, de acordo com a publicação da The University of Chicago Press.

Além disso, muitos clientes também acabam não se apegando muito aos centavos após a vírgula, seja por falta de tempo ou despreocupação com o valor final da compra.

O efeito dos dígitos da esquerda

Responda à pergunta: o que você acha que aconteceria com as vendas de um vestido ao aumentar seu preço de R$ 34 para R$ 39? As vendas cairiam, ficariam iguais ou aumentariam?

De acordo com um artigo publicado pela Harvard Business Review, a demanda pelo produto aumentaria um terço com esse aumento de preço. De início isso pode não fazer sentido, mas é simples: a resposta está nos números e como a nossa mente os interpreta.

O estudo aponta que o número 9 no final do preço gera o mesmo efeito causado por sinais de "oferta" e "promoção", ou seja, a ideia de estar fazendo um bom negócio.

O preço R$ 39 causa a sensação de que aquele vestido poderia custar R$ 40, mas não custa, o que o torna mais atrativo.

Outra pesquisa recente defende que produtos que estão sendo comprados em uma mesma categoria, mesmo que sejam de marcas diferentes, somente serão estratégicos se estiverem lado a lado, seja na prateleira ou no site.

Sendo assim, quanto mais próximos os dois valores que estão sendo comparados, maiores as chances do consumidor levar o produto de R$ 39 em vez do de R$ 40, por exemplo.

De forma resumida, o efeito do dígito esquerdo tende a funcionar bem, desde que haja uma comparação entre itens.

Essas estratégias geralmente dão bons resultados, porém alguns estudos destacam a existência de dois grupos de consumidores: os holísticos e analíticos, e a necessidade de pensar em ações diferentes para cada um deles.

Consumidores holísticos e analíticos: entenda a diferença

Os consumidores analíticos são aqueles que veem os dígitos do preço de forma separada. Eles tendem a focar o dígito da esquerda. Os holísticos, por sua vez, gostam de visualizar o coletivo e tudo o que os cercam no momento da compra.

De acordo com os estudos, os consumidores holísticos precisam de outras ações em conjunto para que a estratégia do dígito realmente funcione, como, por exemplo, músicas lentas tocando ao fundo do supermercado, a falta de tempo, ou até mesmo, aquela degustação da nova linha de café.

Não trata-se somente do preço

Como dissemos, as estratégias de marketing não levam em consideração somente o preço isoladamente. As empresas também se preocupam com o quanto as pessoas confiam nelas, como um todo.

Por parte do consumidor, existe a confiança de que a oferta é realmente verdadeira e não destoa do restante do mercado. Afinal, hoje em dia é muito mais fácil comparar produtos similares pela internet e entender qual é o real valor de um produto.

Caso o consumidor perceba uma diferença nesses aspectos, ele cria a sensação de que a empresa está tentando "enganá-lo", gerando mais efeitos negativos para a marca do que positivos, concorda?

Por isso, é sempre fundamental usar as estratégias de vendas de forma consciente e respeitando os consumidores.

Gostou do conteúdo?

Esperamos ter ajudado você com esse artigo. Em caso de dúvidas ou sugestões, deixe o seu comentário para nós e até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Camila Silveira

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, adora descomplicar os cartões de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, contas digitais, entre outros. Boa parte do seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Empresas são obrigadas a oferecer vale-alimentação?

Assim como os bancos, fintechs correm para se adequar a ‘Lei do Superendividamento’

Foregon atinge marca de gigantes, com 1 milhão de contas criadas em 10 meses

5 motivos para o seu negócio investir em um aplicativo

Por que as criptomoedas são revolucionárias?

Área de cobranças da conta PJ Nubank: veja como utilizar

Conheça o Programa Avançar Santander, portal de apoio ao empreendedor

Vender por apenas R$ 0,99 funciona? Descubra agora mesmo