Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

O que é Alienação Fiduciária?

Por Janaína TavaresPublicado em

Você estava procurando uma linha de crédito e viu que o empréstimo com garantia era a melhor solução para os seus problemas financeiros? Portanto, é fundamental que você saiba o que é a Alienação Fiduciária. Acompanhe a leitura do artigo para saber mais detalhes.

O que é Alienação Fiduciária?

A Alienação Fiduciária é um recurso que foi criado para substituir a hipoteca, já que esse recurso não pode ser mais utilizado por causa das barreiras legais. É por meio dela que se pode fazer um empréstimo com garantia no Brasil.

Com ela, basicamente, é possível transferir um bem com o intuito de passar confiança para o credor. Além disso, por contribuir com a diminuição do risco de inadimplência, ela se tornou uma das melhores condições de pagamento para os clientes.

O que a Alienação Fiduciária possibilita?

  • Empréstimo de valores altos, juros baixos e prazos mais longos para pagamento;
  • Menos burocracia tanto para os clientes, como para as empresas que conseguem realizar o processo de forma mais rápida e eficiente;
  • Economia na hora de escolher a melhor opção de empréstimo.

Como funciona um empréstimo que utiliza esse recurso?

Se você for fazer um empréstimo com garantia, chamado também de refinanciamento de imóvel ou de veículo, é necessário entender alguns pontos.

Portanto, com o uso da Alienação Fiduciária, terão duas partes envolvidas neste processo. A primeira é o credor, ou seja, aquele que empresta o dinheiro. Já a segunda é o devedor, a pessoa que fará o empréstimo.

Homem desconfiado com a mão no queixo

Com o seu score calculado, você descobre o produto financeiro ideal para você!

Calcule o seu score de forma gratuita, rápida e segura e tenha acesso a centenas de cartões de crédito e outros produtos financeiros.
+ 1.267.543 milhões de pessoas já consultaram

Ao criar uma conta você aceita nossos termos de uso política de privacidade. Aceita também receber notificações por e-mail e SMS, que podem ser canceladas quando quiser.

Sendo assim, logo que o contrato for assinado pelas duas partes, você, enquanto devedor, terá a posse do bem. No entanto, a propriedade fica atrelada à instituição financeira que emprestou o dinheiro.

Quem pode contratar?

Pessoas Físicas e Jurídicas podem ter acesso à Alienação Fiduciária. Porém, você precisa prestar atenção na hora de assinar o contrato, pois nele devem estar inseridas algumas informações, como:

  • Valor da dívida;
  • Prazo e condições de pagamento do empréstimo;
  • Taxa de juros e encargos;
  • Descrição do objeto de alienação;
  • Indicação de propriedade;
  • Modo de aquisição;
  • Cláusula que explica livre utilização do bem pelo devedor;
  • Indicação do valor da propriedade;
  • Critérios de revisão para o caso de venda em leilão.

Sugestões de leitura

Agora que você já entende o que é Alienação Fiduciária, preparamos uma lista com conteúdos especiais:

Descomplicamos?

Caso tenha ficado com alguma dúvida a respeito desse assunto, deixe seu comentário aqui embaixo para que possamos te auxiliar. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Janaína Tavares

Jornalista e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, a Janaína (ou Jana). Como redatora, ama os conteúdos sobre dicas financeiras. Preza pela checagem de todas as informações e o conteúdo perfeito para ela, é aquele que ajuda o leitor a resolver um problema, ensinando e orientando o leitor a tomar a melhor decisão.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Itaucard Click Visa Platinum: conheça todos os benefícios e peça já o seu

5 dicas para se planejar a longo prazo

Score Serasa: conheça a nova função de bloqueio e desbloqueio de consultas

Conheça 5 aplicativos que enviam dinheiro para o exterior

Quais mudanças o Open Banking traz para a nossa vida financeira?

BRL: entenda o que essa sigla significa na sua fatura do cartão

Corte 17 despesas mensais que podem se transformar em renda extra

Aplicativos para aumentar score de crédito: verdade ou mito?