Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

O que é e como funciona o crédito privado?

Por Sabrina VansellaPublicado em

Está considerando ampliar seus investimentos? Existem muitas opções disponíveis no mercado financeiro, caso aceite correr certo risco, o crédito privado pode ser uma boa opção.

Acompanhe a leitura deste artigo e compreenda como funciona essa modalidade de investimento e suas principais características.

O que é crédito privado?

O crédito privado funciona com a emissão de títulos de dívida das instituições privadas. Basicamente, ele opera de maneira semelhante aos títulos públicos que são emitidos pela Secretaria do Tesouro Nacional.

Imperdível
Sua chance de ter um cartão de crédito sem anuidade78.477 pessoas já pediram
Ver cartão
Encerra em 16:20

Ou seja, Pessoas Físicas que investem em títulos privados se tornam credores do negócio que foi emitido e, neste caso, de instituições privadas. Ao investir em títulos privados o direito de receber o valor aplicado mais uma taxa de rendimento é assegurado.

Essa modalidade permite que empresas que precisam de investimento para expandir seus negócios consigam a quantia necessária e ampliem sua capacidade produtiva.

Como funciona o crédito privado?

Agora que você já sabe o que é crédito privado, é o momento para entender suas principais características. Como foi apresentado, se uma empresa precisa de empréstimo, ela tem duas opções: recorrer a um banco ou fazer uma operação no mercado de capitais.

Pensando nisso, são criados títulos com a intenção de investir no crescimento e em projetos que tragam rentabilidade. Então, a empresa emite títulos e tem o compromisso de pagar aos investidores o valor aplicado mais uma taxa de juros na data combinada.

Um dos principais ônus de investir em títulos de crédito privado, é que não há total cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), diferente de alguns títulos públicos. Ou seja, é necessário ter mais cuidado e fazer uma análise completa da empresa que for investir, pois o risco é maior.

Modelos de investimento do crédito privado

Sobre a rentabilidade, existem dois modelos de investimento: Renda Fixa e Renda Variável. Para melhor entendimento, vamos explicar as principais diferenças e qual das opções o crédito privado se encaixa.

Renda Fixa

A Renda Fixa é um modelo de investimento mais seguro, no entanto, oferece uma rentabilidade mais baixa. O lado positivo é que o investidor tem como saber qual será o retorno previsto ao investir neste título.

Nesta modalidade, as condições de aplicação são previamente estabelecidas. Ou seja, há um acordo diante os prazos, taxas, índices de referência e outros detalhes. O crédito privado é um modelo de investimento de Renda Fixa, o que possibilita que o investidor saiba qual será o retorno do investimento.

Renda Variável

Nos investimentos de Renda Variável, ocorre justamente o oposto da Renda Fixa. E por apresentar mais risco, o rendimento pode ser mais alto. Este modelo demanda um acompanhamento mais próximo do investidor, pois ele não tem como saber qual será o retorno.

Os principais exemplos de investimentos de Renda Variável são ações negociadas na Bolsa de Valores.

Principais investimentos do crédito privado

Debêntures

As debêntures são títulos de dívidas emitidos por empresas de diferentes áreas. Nesta aplicação, o investidor fornece um empréstimo à companhia responsável por emitir o título. Dessa forma, o investidor se torna um credor da empresa e fica responsável por financiar os projetos dela em troca de receber juros do valor investido.

Geralmente, esse modelo de investimento tem cobrança de Imposto de Renda. No entanto, existem opções de debêntures isentas de IR para Pessoas Físicas ao serem aplicadas em projetos de infraestrutura. Vale a pena conferir o rating da empresa emissora antes de realizar a aplicação.

CRI e CRA

O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) e do Agronegócio (CRA), são modelos de títulos de crédito privado, em que o investidor compra um determinado fluxo de rendimentos. Nesta modalidade, é possível ter o retorno no vencimento do título ou periodicamente.

Esses investimentos estão isentos do Imposto de Renda e garantem a cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

FIDC

Nos chamados Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), o investidor adquire cotas e um gestor profissional coloca os recursos nos ativos. Neste caso, quem investir nessa aplicação possui o direito de receber valores por parte de determinada empresa, como contas a receber, duplicatas e cheques.

Esse modelo apresenta Imposto de Renda de acordo com a tabela regressiva. Se manter o investimento por 720 dias ou mais, a alíquota chega a 15%.

Vale a pena investir em crédito privado?

Para que o investimento em crédito privado seja um bom negócio, é preciso conhecer o seu perfil de investidor e alinhar isso com os seus objetivos. Normalmente, não é permitido resgatar os valores antecipados, o que pode trazer consequências se você precisar da quantia.

Além disso, a maioria dos investimentos são de médio e longo prazo, pois é preciso que passe um tempo para o negócio conseguir capitalizar e devolver o valor investido mais juros. Tenha consciência que essa é uma boa opção como investimento de Renda Fixa, mas que ainda apresenta riscos maiores.

Informamos?

Esperamos que agora você tenha as informações necessárias para tomar sua decisão. Se tiver alguma dúvida ou sugestão, faça um comentário. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Sabrina Vansella

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos noticiosos e sobre dicas financeiras. Procura simplificar e melhorar a qualidade de vida dos usuários e, para isso, preza por uma pesquisa assídua e uma escrita clara.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

5 livros sobre investimentos que você precisa conhecer

Rentabilidade fora da bolsa: 5 investimentos alternativos mais promissores de 2021

Plataforma íon promete revolucionar a experiência de investir

Open banking: o que muda para o investidor?

Qual a diferença entre a conta rendeira e o CDB PagBank?

Previdência privada: PGBL ou VGBL? Entenda qual o plano ideal para você

Baixa renda e preconceito: entenda porque o brasileiro prefere investir na poupança

Ativos reais: o que são e quais os riscos?