Ir para o conteúdo principal
Foregon.comConteúdos
Acesse sua conta

Taxa CDI: guia completo

Thais SouzaPublicado em

Antigamente, muitos imaginavam que investir era algo apenas para pessoas de alto poder aquisitivo. Porém, hoje em dia com os investimentos ficando cada vez mais acessíveis, a Renda Fixa se tornou uma alternativa à poupança e, com isso, torna-se necessário entender alguns termos para investir com mais assertividade, como Taxa Selic, CDI, IPCA, dentre outros.

Neste guia completo falaremos exclusivamente do CDI, um índice muito importante do mercado financeiro que influencia diretamente na rentabilidade da maioria das aplicações em Renda Fixa.

Se você ainda não sabe o que é Renda Fixa ou quer se aprofundar no assunto antes de conhecer a taxa CDI, confira o artigo que separamos: Renda Fixa: guia completo para o investidor.

Você encontra nesse artigo:

O que é CDI?

Na mente de muitas pessoas, os bancos são grandes rivais que competem entre si. Mas na prática, não é bem assim. Todos os dias, os bancos fazem grandes movimentações de dinheiro e, no final do dia, eles precisam zerar os seus saldos em tesouraria.

Essa é uma determinação do Banco Central, que obriga que os bancos encerrem o dia com saldo positivo em caixa para assegurar que o sistema financeiro esteja estável. Mas, pode ocorrer, por exemplo, do volume de saques superar o de depósitos, fazendo com que o saldo de uma instituição financeira fique negativo.

Ou seja, quando uma instituição financeira fecha o dia com saldo negativo de caixa, ela emite o CDI de curtíssimo prazo para outros bancos. Portanto, trata-se de uma forma de captar dinheiro entre eles, equilibrar a liquidez e permitir que as operações financeiras continuem sendo feitas normalmente. O CDI tem prazo de vencimento de um dia útil.

De forma prática, as instituições que possuem dinheiro em caixa emprestam para os bancos que não têm, e isso é feito através da emissão do CDI. Sim, é isso mesmo que você leu: os bancos também fazem empréstimos!

O que o CDI tem a ver com investimentos?

Até agora nós só falamos sobre o CDI ser um título negociado entre bancos. Mas o que isso tem a ver com os investimentos em Renda Fixa? A resposta é: os juros.

Os empréstimos entre bancos realizados por meio de emissão de CDI possuem incidência de juros. A Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos Privados (Cetip), por sua vez, calcula diariamente a taxa média de juros praticada nos CDIs de todo o mercado financeiro. Essa taxa média é chamada de DI.

Por se tratar da média de juros das operações em CDI, a taxa DI acabou de tornando uma referência  para o restante do mercado financeiro, servindo de base até para a rentabilidade dos investimentos de Renda Fixa. Ou seja, trata-se de uma referência que as diversas modalidades de investimentos buscam igualar ou superar.

Portanto, hoje é muito comum encontrar investimentos como CDB, LCI ou uma debênture com rentabilidade atrelada ao CDI.

Além da taxa do CDI ser a referência de rentabilidade para os investimentos de Renda Fixa, ela também é utilizada como meta de desempenho dessas aplicações, ou seja, indica se um investimento está sendo rentável ou não. Por exemplo: se a rentabilidade for menor do que a taxa DI, é sinal de que poderia ter se saído melhor. Se for acima, indica que o investidor está lucrando.

Qual é a relação entre CDI e Taxa Selic?

Não dá para falar de investimentos sem citar a famosa Taxa Selic, não é mesmo? Ela é a taxa básica de juros da economia brasileira e é o principal mecanismo utilizado pelo Banco Central no controle da inflação.

Pois é, a Taxa Selic é extremamente importante para a economia do nosso país. Por isso, ela também reflete sobre todas as outras taxas de juros, como nos empréstimos, financiamentos e investimentos.

Portanto, como a meta da Selic é definida pelo Copom como uma espécie de ponto de equilíbrio da inflação, a taxa CDI anda junto com ela ou bem próxima. Mas porque isso acontece?

Quando os bancos fazem empréstimos por meio de CDIs, a taxa Selic também é utilizada como referência. Por isso, apesar de não serem idênticas, elas seguem a mesma tendência e direção.

Se você deseja saber mais detalhes sobre a Taxa Selic, não deixe de conferir o guia completo que separamos para você:

Qual valor da taxa CDI hoje?

Nos investimentos, CDI e Selic são duas taxas muito próximas. Elas costumam ficar 0,10 ponto percentual abaixo da Selic Meta. Isso significa que, como hoje a Selic está em 2% ao ano, o CDI está em 1,90% ao ano. Confira o histórico da Selic e CDI, respectivamente, nos últimos 12 meses (% ao ano):

Mês/ano Taxa Selic Taxa CDI
Janeiro de 2021 2,0% 1,90%
Dezembro de 2020 2,0% 1,90%
Novembro de 2020 2,0% 1,90%
Outubro de 2020 2,0% 1,90%
Setembro de 2020 2,0% 1,90%
Agosto de 2020 2,0% 1,90%
Julho de 2020 2,25% 2,15%
Junho de 2020 2,25% 2,15%
Maio de 2020 3,00% 2,90%
Abril de 2020 3,00% 2,90%
Março de 2020 3,75% 3,65%
Fevereiro de 2020 4,25% 4,15%

Quais são os investimentos atrelados ao CDI?

Quando um investimento tem sua rentabilidade atrelada ao CDI, eles usam o índice como referência e entregam percentuais relativos a ele. Portanto, qualquer variação do CDI impactará diretamente nessas aplicações.

Atualmente existem vários investimentos em Renda Fixa que utilizam a taxa CDI como base para suas rentabilidades. Vamos conhecê-los?

CDB

Os Certificados de Depósitos Bancários (CDBs) são títulos emitidos pelos bancos para captar dinheiro em troca de remuneração aos investidores. Ou seja, quando você investe em CDBs você "empresta" seu dinheiro ao banco por um determinado período de tempo.

Após esse período, o banco devolve o valor que você investiu mais os juros, ou seja, a sua remuneração por ter deixado seu dinheiro aplicado no banco.

Esse tipo de investimento é garantido pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que garante até R$ 250 mil por investidor caso haja algum problema com o pagamento da dívida por parte do banco.

A rentabilidade do investimento em CDB pós-fixado está atrelada a taxa CDI. Por exemplo: se você investe em um CDB que rende 110% do CDI, tem rentabilidade 10% acima, ou seja, você estará lucrando. Supondo que o CDI hoje seja de 10%, esse CDB terá uma rentabilidade bruta de 11%. Agora, se o CDI cai para 9%, a sua rentabilidade também cairá.

É importante ressaltar que nem todo CDB será atrelado à taxa CDI. A rentabilidade da sua aplicação em CDB pode ser:

  • Pré-fixada: protege contra as oscilações do mercado, porque o percentual de retorno é definido no momento da contratação;
  • Pós-fixada: oferece um rendimento variável, conforme um indexador, que costuma ser o CDI;
  • Hibrida: é a modalidade IPCA, que tem um percentual fixo e outro variável conforme o índice da inflação.

LCA e LCI

A Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) são investimentos que possuem incentivo do governo. Eles fazem parte da categoria Renda Fixa e são isentos de Imposto de Renda.

O LCI são títulos emitidos por bancos, sociedades de crédito imobiliário, associações de poupança e empréstimo e companhias hipotecárias que queiram captar recursos.

Esses títulos são emitidos para financiar projetos do setor imobiliário. O investidor que adquire as LCIs recebe sua remuneração atrelada ao CDI.

Já a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) são utilizadas para financiar o setor agrícola. Ou seja, você empresta dinheiro para o agronegócio e recebe, em troca, seu dinheiro acrescido de uma taxa de juros.

A rentabilidade das LCIs e LCAs pode ser vantajosa já que não possui incidência de IR. Porém, tudo vai depender do percentual do CDI que as instituições emissoras pagam e da data de vencimento. Por isso, é importante comparar. A rentabilidade das letras pode ser prefixada, pós-fixada ou híbrida. O tipo mais comum são as LCI e LCA pós-fixadas, indexadas ao CDI.

Debêntures

As debêntures são títulos de dívidas de empresas que oferecem o direito de crédito ao investidor, que é remunerado por meio de de juros pré ou pós-fixados.

Muitas empresas, quando desejam investir preferem não fazer empréstimos dos bancos, pois os juros são mais altos. Portanto, quando você investe em debêntures, basicamente, você empresta o seu dinheiro para uma companhia e, em troca, recebe um rendimento anual acertado no momento da compra.

Esses títulos são lançados pela empresa que pretende captar recursos, seja para fazer um investimento, melhorias, dentre outras ações organizacionais.

Da mesma forma que os CDBs, a rentabilidade das debêntures pode ser híbrida, pré ou pós-fixada. A debênture pós-fixada é aquela em que o rendimento que não pode ser previsto na hora do investimento.

Esse tipo de rendimento é atrelado ao CDI. Assim, na data de vencimento do título, a aplicação paga retornos relativos a X% da variação do CDI no período.

Outros investimentos atrelados ao CDI

Além dos CDBs, LCIs e LCAs, a taxa CDI serve de base para vários outros investimentos em Renda Fixa, como LC, CRI e CRA, LF, fundos de investimentos DI e RF.

Perguntas frequentes (FAQ)

Quem calcula a taxa CDI?

A Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos (Cetip)

O que significa a sigla CDI?

Certificados de Depósito Interbancário.

Qual a diferença entre CDI anual, mensal e diário?

A taxa CDI refere-se aos juros dos empréstimos interbancários. São transações de curtíssimo prazo, geralmente de um dia, que originam o CDI diário. A partir da média diária calcula-se o CDI mensal e depois o anual.

O que é CDI diário?

Taxa calculada a partir das operações entre os bancos em um dia, que serve de base para calcular a média mensal e anual.

O que é CDI mensal?

Média mensal do CDI calculada a partir das taxas diárias.

O que é CDI anual?

Média anual do CDI calculada a partir das taxas mensais.

O que significa investir com 100% do CDI?

Um investimento que rende 100% do CDI terá a mesma rentabilidade da taxa CDI no mesmo período.

Gostou do artigo?

Então, gostou de conhecer um pouco mais sobre a taxa CDI, sua rentabilidade e as principais opções de investimentos que são atreladas a ela? Deixe seu comentário caso tenha restado alguma dúvida sobre o assunto.

Não deixe de seguir a Foregon no canal do YouTube e também nas redes sociais, Facebook e Instagram, para ficar por dentro das notícias e novidades em primeira mão. Até a próxima!

Gostou? Deixe seu curtir
Compartilhe
Thais Souza

Redatora e Especialista em Produtos e Serviços Financeiros na Foregon, se identifica com conteúdos relacionados a investimentos e empréstimos e acredita que esse tipo de conhecimento pode mudar a vida das pessoas. Busca impactar a vida dos usuários que buscam resolver um problema ou conhecer melhor um produto ou serviço financeiro.

Ver todos os posts

Deixe seu comentário

Leia também

Instagram como ferramenta de negócios: guia completo

Como recarregar Bilhete Único pelo celular?

PicPay: como fazer cobranças pelo aplicativo?

Caixa abre 10 mil vagas de emprego para concursados, estagiários e aprendizes

Open Banking ou Open Finance: o que você precisa saber sobre esses sistemas

Não consegue guardar dinheiro? Conheça a “poupança por assinatura”

Golpe da revisão do INSS: veja como se proteger

Quer mudar de carreira? Confira essas dicas para trocar de profissão