Ir para o conteúdo principal
Foregon.com

Itaú afirma que Pix está substituindo TED e outras transações: entenda

Por Camila SilveiraPublicado em

Qualidade editorial: Nosso conteúdo é construído por uma equipe profissional que coloca a dúvida do leitor no centro da sua escrita. Cada autor traz o seu conhecimento para responder e solucionar sua busca, entregando valor por meio da verificação de dados, aprofundamento da pesquisa e reputação do nosso site.

Segurança e privacidade: Somos responsáveis por manter seus dados protegidos quando você acessa nosso site. Trabalhamos com total transparência e respeito ao seu consentimento, colocando você no controle de seus dados. Conheça nossa política de privacidade.

O Pix já alcançou a marca de R$ 500 bilhões em movimentação desde o seu lançamento, superando o TED e DOC em números de transações, de acordo com o Banco Central.

O sistema está substituindo, até mesmo, os pagamentos em dinheiro, segundo o Marcos Cavagnoli, diretor do Itaú para open banking e gerenciamento digital de dinheiro, em entrevista ao Tecnoblog.

"A chegada do Pix pode impactar as receitas de TED e DOC, porém entendemos que o Pix está fomentando a bancarização da população, permitindo que mais pessoas tenham acesso a produtos e serviços bancários", afirma Cavagnoli por e-mail. "Então, um movimento pode neutralizar o outro."

Fora isso, o banco Itaú está identificando uma substituição gradual das transações em dinheiro graças ao Pix. De acordo com o executivo, isso gera "reduções importantes de custos transacionais, como os atrelados a gestão de numerário, e traz mais segurança para a sociedade como um todo".

O que você procura?

Pix substitui TED e DOC entre empresas

Apesar do Pix ser gratuito para Pessoas Físicas e MEIs, ele pode ser cobrado para as Pessoas Jurídicas.

Os bancos digitais, como o Nubank e Inter, possuem tarifa zero para esse tipo de operação, porém, as instituições tradicionais como o Santander, Bradesco e Itaú cobram taxas para transferências e recebimento via chave Pix e QR Code.

Segundo Cavagnoli, "o valor das transações varia de acordo com o montante da operação e depende do perfil do cliente, seu segmento e relacionamento com o banco". Na tabela de tarifas do Itaú, as transferências via Pix feitas por clientes PJ devem pagar taxa de 1,45%, com tarifa mínima de R$ 1,75 e máxima de R$ 9,60.

Mesmo com a cobrança, o Pix ainda responde por mais de 50% das transferências do Itaú entre clientes PJ, ou seja, acabou superando o TED e o DOC em números de transações.

"Vemos que esse é um recurso amplamente utilizado e acreditamos que a tendência seja só aumentar, considerando as novas funcionalidades que estão sendo programadas", diz Cavagnoli.

O Pix Cobrança é uma das novas funcionalidades previstas para ser lançada pelo BC ainda este mês. Com ele, as empresas poderão gerar um QR Code definindo a data de vencimento, juros, multas e descontos. Bem parecido bom o boleto, porém, com compensação imediata.

Gostou do conteúdo?

Esperamos ter ajudado você com esse conteúdo. Em caso de dúvidas ou sugestões, deixe o seu comentário para nós e até a próxima!

Compartilhe

Escrito por:

Camila Silveira
Redatora júnior

Seu trabalho é acompanhar a movimentação dos bancos e instituições financeiras para trazer as principais notícias do mercado.